25.06.2015

A Eurodeputada do PSD participou esta manhã na 35° sessão da Conferência das Regiões Periféricas e Marítimas (CPMR) da União Europeia, defendendo que deve ser dada especial atenção às regiões insulares que possuem naturais constrangimentos ao nível da produção energética.

Cláudia Monteiro de Aguiar salientou que “A União Europeia pretende avançar para a criação de um Mercado Único da Energia por forma a aumentar a sua independência energética e sustentabilidade ambiental. Infelizmente não foram tidas em conta as preocupações das regiões insulares que apresentam naturais constrangimentos em termos de produção e fornecimento energético”

A proposta de União Energética foi apresentada em Fevereiro último pela Comissão Europeia e tem como principal objectivo garantir a segurança energética através de uma diversificação da tipologia de energia produzida e das fontes de abastecimento, aprofundar as interligações energéticas entre países europeus, aumentar a eficiência energética sobretudo na área dos transportes e indústria e afirmar as energias renováveis como estratégia de futuro.

Em Bruxelas, na conferência “Sustentabilidade das Ilhas para além de 2020”, a Deputada do PSD salientou que “3,5% dos cidadãos europeus vivem em ilhas e esta população aumenta significativamente em meses turísticos, aumentando a pressão sobre os ecossistemas, o sistema energético e os recursos hídricos”.

Cláudia Monteiro de Aguiar apresenta 5 propostas muito concretas para que as regiões insulares tenham uma posição mais activa na protecção dos seus interesses estratégicos, nomeadamente:

1 – Candidatar os projectos energéticos ao novo Fundo Europeu de Investimentos Estratégicos:

2 – Desenvolver uma Estratégia Regional de Especialização:

3 – Criar um projecto de Conhecimento e Inovação (KIC) e candidatá-lo ao Programa Europeu de Investigação Horizonte 2020

4 – Melhorar a troca de informações sobre projectos bem-sucedidos

5 – Desenvolver novos projectos energéticos na Economia Azul

As regiões insulares deverão assim aproveitar os 315 mil milhões de Euros do novo plano de investimentos da União Europeia assim como criar um projecto de Conhecimento e Inovação para candidatar ao programa europeu de investigação Horizonte 2020. Além das possibilidades financeiras, importa que as autoridades públicas trabalhem em conjunto com universidades e empresas ao nível do desenvolvimento de projectos de produção e distribuição energética assim como deverão aproveitar o potencial da energia marítima.

No final da sessão, Cláudia Monteiro de Aguiar defendeu que “As ilhas da Madeira e do Porto Santo possuem desafios geográficos que têm de ser tidos em conta por parte das autoridades europeias no que concerne à diversificação e segurança energética que são especialmente difíceis de alcançar. A Comissão Europeia tem de perceber os elevados investimentos que têm de ser realizados e temos de trabalhar todos juntos para captar mais investimentos estratégicos para as nossas ilhas”.

A Secretária Regional do Ambiente, Dr. Susana Prada, também esteve presente na Conferência das Regiões Insulares e Marítimas realizando uma apresentação sobre as dificuldades energéticas que subsistem na Região Autónoma da Madeira.