Cláudia Monteiro de Aguiar pede cooperação do Sector

Cláudia Monteiro de Aguiar reuniu, em Lisboa, o sector do Turismo para debater as oportunidades de financiamento Europeu e a necessidade de criação de uma Plataforma, que unindo todos os interessados seja, no fundo, uma única fonte de informação e investimento.

Esta Reunião de Alto-Nível teve como oradores o Comité das Regiões, a Comissão Europeia, o Banco Europeu de Investimento, o Turismo de Portugal e a Deloitte, e contou com a presença da Confederação do Turismo Português, da Associação da Hotelaria de Portugal, da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, da Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo, das Entidades Regionais e Agências de Promoção Regional, Beta-I e Portugal Venture. 

A proposta de criação de uma Plataforma de Investimento para o sector foi a tónica do debate ainda que o sector tenha identificado outros grandes desafios, como a recapitalização das empresas, a maturidade dos empréstimos e os custos de contexto, como os principais problemas das empresas do sector.

Cláudia Monteiro de Aguiar relembra que “o importante é o estabelecimento de parcerias e plataformas temáticas ou geográficas que criem oportunidades de desenvolvimento sustentável dos nossos destinos. A exemplo de outras regiões europeias e de outros países, Portugal tem de saber encontrar as necessidades comuns ao sector e, em cooperação, inclusive, com outros países e regiões, criar projectos com escala. As associações, as empresas em Portugal se trabalharem em estreita colaboração podem candidatar-se a diversos projectos com financiamento europeu.”

Neste encontro, a Comissão Europeia, apresentou o Guia para o Financiamento do Turismo 2014-2020, agora disponível também em Português, numa proposta presente no relatório sobre o Turismo, da autoria de Cláudia Monteiro de Aguiar, que vê agora colocada em prática.

Cláudia Monteiro de Aguiar sublinha “que sozinhos e de costas voltadas não alcançamos os objectivos pretendidos. As oportunidades de financiamento europeu existem e estão à disposição da economia, temos agora que identificar as necessidades comuns do sector, para alcançar por exemplo o Plano Juncker.”

A digitalização, as competências, o apoio e acesso ao financiamento das PMEs e Startups, os novos modelos da economia colaborativa, as infraestruturas de transporte para melhorar as ligações, a renovação dos hotéis e eficiência energética e uso das renováveis foram alguns dos segmentos passíveis de serem financiados por uma Plataforma de Investimento para o Turismo, iniciativa que deve partir do sector em parceria com o Turismo de Portugal.